Curiosidades

As lendas fazem parte da história do café. Apresentamos aqui lendas e curiosidades sobre esta bebida de alcance universal que os brasileiros tanto apreciam.

Uma das mais antigas lendas sobre o café diz que a bebida foi criada pelo arcanjo Gabriel para restaurar as forças de Maomé. Depois de ingeri-la, o fundador do Islamismo tornou-se capaz de derrubar quarenta cavaleiros e conquistar igual número de damas.

Quando chegou pela primeira vez na Itália, em 1615, o produto sofreu forte resistência da Igreja. Fanáticos cristãos diziam que o café era uma “invenção de Satanás” e incitaram o Papa Clemente VIII a condenar o seu consumo. Não rendeu-se ao sabor do café e declarou: “Esta bebida é tão deliciosa que seria um pecado deixá-la somente para os infiéis.

O hábito de misturar leite ao café teve origem na Alemanha. Em 1680, instalou-se em Hamburgo o primeiro café para venda da mistura ao público.

Nas Kaffehaus, a bebida uniu-se a outra paixão dos alemães: a música. Entre as orquestras que tocavam nesses locais destacava-se a Collegium, de Leipzig. Em 1732, seu diretor, Johann Sebastian Bach, compôs a célebre Cantata ao Café, para ser tocada nessas ocasiões.

O café vienense, apreciado no mundo inteiro, surgiu por um golpe do destino. Ocupada pelos turcos, Viena foi cercada pelas tropas libertadoras. Sem possibilidade de enfrentá-las, os turcos abandonaram a cidade às pressas, deixando entre seus despojos algumas sacas de um produto desconhecido, inicialmente confundido com forragem para animais. Frans George Kolschitzky conhecia bem o café por ter vivido no Oriente e apreciava seu sabor. Apoderou-se das sacas e começou a comercializar o produto, ao qual juntou açúcar e creme chantilly. Nascia, assim, o tão apreciado café vienense.

O café só chegou ao Brasil em 1727, trazido da Guiana Francesa pelo sargento-mór Francisco de Melo Palheta, especialmente enviado ao país vizinho pelo governo para conseguir mudas do produto. Proibidas aos portugueses, a obtenção das sementes está envolta em uma aura de romantismo: conta-se que a esposa do governador da Guiana, tendo-se apaixonado por Palheta, o teria presenteado, na despedida, com um punhado de sementes de café.

Uma das explicações sobre a origem da palavra café nos remete ao termo cahue, que em árabe significa força.

Existem duas variedades de grãos: o Arábica e o Robusta Africana, conhecido no Brasil como Conillon. A combinação dos dois tipos conquistam os mais variados paladares. O Brasil é o maior produtor mundial do produto, com cerca de 25% do total produzido.

Bem de corpo e alma: O café costuma ser injustamente condenado nas dietas naturais. No entanto, é uma bebida com diversas qualidades curativas. Desde que seja consumido em doses homeopáticas, pode ajudar em diversos pequenos males diários. A cafeína pode, por exemplo, aliviar a dor de cabeça, melhorar a respiração, a capacidade mental e, dizem os radicais, até relaxar o corpo e a mente.